Síndrome do conflito subacromial

O que é?

O ombro é movido pelos músculos e tendões da coifa dos rotadores. Entre estes e o acrómio, que é parte da omoplata, encontra-se a bursa, uma espécie de almofada. Este compartimento geralmente tem uma altura de cerca de 1 cm. Por várias razões (esporão ósseo, a instabilidade, a espessura do tendão) este espaço pode ser mais reduzido de modo que os tecidos moles ficam comprimidos entre a cabeça do úmero e o acrómio. Esta compressão leva a inflamação da bursa com a correspondente dor ou até mesmo a lesões dos tendões, particularmente na presença de actividades repetitivas do ombro.

Cortesia: www.shoulderdoc.co.uk

 

Quais os sintomas associados?

Os principais sintomas do conflito sub-acromial são a dor durante movimentos com os braços levantados e dor noturna na região lateral do ombro e do braço, podendo irradiar até ao cotovelo.

 

Como posso saber se sofro deste problema?

Além do exame físico do ombro realizado pelo médico são normalmente realizadas radiografias e ecografia, que permitem detectar lesões dos tendões da coifa dos rotadores e líquido na articulação.

Se há suspeita de rotura da coifa pode ser necessária uma ressonância com ou sem agentes de contraste. Para o diagnóstico pode ser útil a infiltração local com anestésico.

 

Que opções de tratamento existem?

Após o diagnóstico inicia-se o tratamento conservador que inclui medicação com anti-inflamatórios não-esteróides e analgésicos, bem como fisioterapia, correcções postural e auto-exercícios feitos pelo doente no domicílio. Quando a dor é muito intensa e falham estas medidas, está indicada infiltração local com cortisona.

A maioria dos casos melhora com com as terapêuticas conservadoras, sem necessidade de cirurgia. No entanto, se a dor persiste apesar destas medidas, pode estar indicada a cirurgia. Este procedimento é realizado por artroscopia, por via minimamente invasiva, sem grandes incisões. Neste procedimento a bolsa é removida e são removidos alguns milimetros de osso, criando mais espaço para o tendão.

Cortesia: www.shoulderdoc.co.uk

 

Qual o tratamento pós-operatório?

Após a cirurgia o ombro pode ser movido livremente conforme a dor permitir. No dia a seguir à cirurgia inicia-se a fisioterapia com a equipa do GO.

A duração da fisioterapia varia de pessoa para pessoa mas habitualmente dura entre três e seis meses. Dependendo do tipo de profissão do doente espera-se um regresso ao trabalho entre as seis e as doze semanas após a cirurgia.

voltar